20 de janeiro de 2022
  • Gastronomia.com España
  • Gastronomia.com México
  • Gastronomia.com Perú
  • Gastronomia.com Colombia
  • Gastronomia.com Paraguay
  • Gastronomia.com Argentina
  • Gastronomia.com Ecuador
  • Gastronomia.com Portugal
  • Gastronomia.com USA
Síguenos en  

4 de março de 2016
Valoración  51 (1)
Categorias de biscoitos, massas alimentícias, pães e bolos industrializados fecham 2015 com faturamento
FacebookTwitterLinkedin
Em 2015, as categorias representadas pela Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados (ABIMAPI) registraram juntas crescimento de 5,4% no faturamento em relação a 2014, atingindo R$ 35,4 bilhões. Esta alta foi impulsionada principalmente pelos biscoitos (7,1%), com faturamentos de R$ 21 bilhões, seguidos pelos pães e bolos (3,4%), com R$ 6 bilhões, e massas alimentícias (2,8%), com R$ 8,3 bilhões.
 
Em volume, o setor se manteve estável – com cerca de 3,5 milhões de toneladas comercializadas. O consumo per capita também ficou praticamente inalterado, na casa dos 17kg/ano. Os números da cesta ABIMAPI foram divulgados hoje pela associação, em parceria com a consultoria Nielsen.
 
De acordo com Claudio Zanão, presidente da ABIMAPI, a alta do dólar e das tarifas de energia e combustível registradas durante o ano não tiveram como ser absorvidas pela indústria e acabaram impactando os preços para o varejo. O Brasil produz menos da metade do trigo consumido e precisa importar grandes quantidades de países do Mercosul (sobretudo da Argentina), e também do Canadá e dos Estados Unidos. “Com a elevação do dólar, o custo de produção disparou. Nas massas, pães e bolos industrializados, a farinha de trigo responde por cerca de 70% dos custos. Nos biscoitos, o peso é de 40%”, diz.
 
Biscoitos
A indústria de biscoitos movimentou R$ 21 bilhões em 2015, registrando crescimento de 7,1% frente ao faturamento de 2014. Assim como o setor num todo, esta categoria mostrou estabilidade em relação ao volume – mantendo-se em 1,7 milhão de toneladas – e ao consumo per capita, com 8,5kg/ano.

Os tipos mais consumidos pelos brasileiros em 2015 foram os recheados (454,262 mil toneladas), seguidos pelos biscoitos de água e sal/cream cracker (361,426 mil toneladas) e os secos/doces especiais (273,780 mil toneladas).




“Os biscoitos demandam inovação para conquistar consumidores. Alguns fabricantes enriqueceram seus produtos com vitaminas, fibras ou cereais e cresceram em 2015, conquistando as classes A e B que não foram muito afetadas pela crise. Já as classes C, D e E continuam responsáveis pelo consumo de grande volume do produto. Foram estes fatores que contribuíram para o desenvolvimento da categoria”, comenta Zanão.
 
Massas Alimentícias
O setor de massas alimentícias registrou aumento de 2,8% no faturamento de 2015 com relação a 2014, atingindo R$ 8,2 bilhões. O crescimento foi impulsionado principalmente pelas categorias de massas secas (3,8%) e instantâneas (2,2%) com faturamentos de R$ 5 bilhões e R$ 2,6 bilhões, respectivamente. O mercado de massas frescas faturou R$ 650 milhões. Em volume e consumo per capita, o setor se manteve estável, com 1,26 milhões de toneladas vendidas no ano e 6,17kg/ano.
 
Pães e bolos industrializados
O segmento de pães e bolos industrializados registrou em 2015 faturamento de R$ 6 bilhões, número 3,4% superior ao verificado em 2014.
A indústria de pães industrializados passou de R$ 4,95 bilhões em 2014 para R$ 5,18 bilhões de faturamento em 2015. A categoria apresentou um crescimento de 4,8% frente ao ano anterior. O volume de vendas atingiu 463,3 mil toneladas e o consumo per capita foi 2,27kg/ano.

O mercado de bolos industrializados passou de R$ 888 milhões de faturamento em 2014 para R$ 851 milhões em 2015. O volume total atingiu 37,3 mil toneladas e o consumo per capita ficou em 0,18kg/ano.

Fonte: Abimapi

Valora esta noticia 

 

Top videos

EVENTOS
FIBEGA Buenos Aires 2017
10 de outubro de 2017
(43)
Del 15 al 17 de septiembre se celebró en La Rural, Buenos Aires, FIBEGA, la Feria Iberoamericana de Gastronomía, que reunió a los destinos gastronómicos mundiales más relevantes, el II Congreso Iberoamericano de Gastronomía y el Encuentro Iberoamericano de Chefs. Países como Perú, México, Argentina, Uruguay, Brasil, Guatemala o País Vasco mostraron su riqueza y diversidad gastronómica; y representantes de diferentes sectores relacionados con la cocina como los chefs Germán Martitegui, Andoni Luis Aduriz o José del Castillo, ofrecieron showcookings y presentaciones. Un túnel del vino, en el que se ofrecieron catas y degustaciones de los vinos y bebidas más representativas y sorprendentes, y diferentes espacios de degustación y mercado. 3 jornadas de celebración de la cultura gastronómica de Iberoamérica que reunieron a más de 22.000 visitantes.