20 de janeiro de 2020
  • Gastronomia.com España
  • Gastronomia.com México
  • Gastronomia.com Perú
  • Gastronomia.com Colombia
  • Gastronomia.com Paraguay
  • Gastronomia.com Argentina
  • Gastronomia.com Ecuador
  • Gastronomia.com Portugal
  • Gastronomia.com USA
Siga-nos no  

3 de março de 2016
Avaliação  51 (1)
10 dicas para economizar nos supermercados
FacebookTwitterGoogle PlusLinkedin
A compra nos supermercados tem deixado as famílias brasileiras tensas. Há produtos que subiram mais de 50% nos últimos doze meses. Por isso aí vão 10 dicas concretas para ajudar a você proteger o seu bolso:

Leve uma calculadora - Faça regra de três. Preço X quantidade. Além de gostaram de usar preços "quebrados" terminados em 9 para confundir o consumidor e dar uma falsa percepção que os preços são menores do que realmente o são, há comparações de preços que são feitas nas prateleiras mais para confundir do que para esclarecer. Não se faça de rogado, leve a sua calculadora e confira com cuidado se os preços são bons para você ou não.      




Confira os preços ao serem passados no caixa - Eles podem estar errados. É muito mais comum do que imaginamos, que preços estejam errados. Além de conferir a etiqueta de preços, confira pesos nas balanças do supermercado e os preços durante a passagem da compra no caixa.   

Separe a lista por seção de supermercado - Evite ficar perambulando à mercê de estímulos para consumir. Seja organizado já na lista de compras e isso terá como consequência uma compra rápida, objetiva e com poucos perigos para seu equilíbrio financeiro. Supermercado não é lugar de passear, entre, faça suas compras e saia. 

Cuidado com a "compra adicional" - Requeijão com goiabada, macarrão com queijo ralado, etc. Tudo é interessante desde que você não esteja comprando algo que você já tem em casa e numa quantidade que não resulte em desperdício. Complementaridade é buscada pelos supermercados com esses produtos expostos lado a lado, mas é você quem deve refletir se compensa ou não levar os dois. Outras combinações de alimentos podem ser boladas por você, que sejam mais baratas e até mais apetitosas.    

Verifique os preços de Atacadão e Atacarejos - Como eles prestam um serviço mais simples,  há menos custos envolvidos para a empresa na venda e isso pode simbolizar menores preços finais para o consumidor. Se a família for grande, talvez compense comprar nos atacados também. 

Normalmente os produtos que estão para vencer estão na parte da frente das gôndolas ou prateleiras - Se for levar uma maior quantidade, priorize os produtos com prazo de validade maior. Fique atento, pois até a água vendida tem data de validade. 

Fique de olho nos "produtos de estação" - Aproveite  a oferta e tente se beneficiar dos preços. Não seja tão rígido ao fazer a lista de compras, nessa parte. Aproveite a queda de preços de alguns para comprá-los e evite gastar dinheiro com os que subiram muito.   

Avalie a qualidade - Nem sempre o mais barato é sua melhor opção. Fique de olho em fóruns de consumidores, de supermercados ou redes sociais e atente para as reclamações mais consistentes dos consumidores. Reclamações em série de um mesmo produto ou empresa em vários lugares ou cidades diferentes é um mau sinal.   

Música lenta estimula você a comprar - Não fique achando que a música está lá pra te fazer feliz, ela está lá para te fazer comprar mais. No supermercado, tudo (música, claridade, corredores longos, posição dos produtos, etc) é organizado para fazer você gastar mais e ainda "sair feliz". Quanto a conta do cartão de crédito chegar, o prejuízo será só seu.

Itens mais vendidos têm preços menores - Isso é feito para dar a percepção que tudo no supermercado está bem barato e atrair mais consumidores para o estabelecimento. Na verdade, há preços caros "escondidos" no meio dos outros produtos e isso acaba gerando bons lucros. Tente ser objetivo e não caia em jogadas de marketing como essa. Fazer a lista e consultar panfletos da concorrência te impedem de cair nessas armadilhas do consumo. Fique atento! O dinheiro não aceita desaforo.   

Fonte: Lélio Braga Calhau

Valora esta noticia