26 de setembro de 2020
  • Gastronomia.com España
  • Gastronomia.com México
  • Gastronomia.com Perú
  • Gastronomia.com Colombia
  • Gastronomia.com Paraguay
  • Gastronomia.com Argentina
  • Gastronomia.com Ecuador
  • Gastronomia.com Portugal
  • Gastronomia.com USA
Siga-nos no  

9 de dezembro de 2015
Avaliação  (0)
Ceia de Natal sem peso
FacebookTwitterGoogle PlusLinkedin
O Brasil é um país tropical, mas a ceia natalina segue os padrões tradicionais dos países onde o clima é mais gelado. Diferente daqui, o Natal deles é festejado no inverno e com direito até a neve, não no verão com as altas temperaturas.

Algumas das receitas não são compatíveis com o clima por aqui e os resultados aparecem na balança. A doutora Caroline Praciano, nutricionista da SOBACC – Sociedade Brasileira de Arte, Cultura e Cidadania, explica que o nosso clima quente proporciona perda de apetite, porém a alimentação nas festas de fim de ano é sempre mais calórica, ocasionando o ganho de peso corporal comum nesse período, causado também pelo excesso de alimentos consumidos.




A escolha dos alimentos para a composição da ceia de Natal é fator determinante, por isso o melhor é substituir alguns deles, ou modificar o seu preparo.  As nozes e avelãs não são comuns em várias regiões do Brasil, portanto a nutricionista da SOBACC sugere a substituição delas por castanhas de caju, mais adequados a realidade do brasileiro.

“Apesar de calóricos devido a alta concentração de gordura, são alimentos ricos em ômega 6, Vitamina E, selênio e zinco. Também podem ser trocados por frutas tropicais da estação, secas ou não, puras ou em preparações com bolos, saladas e farofas”, comenta Caroline.

As aves, como o peru, e as carnes de suíno, tender e pernil, utilizadas para as típicas receitas de Natal também foram incorporadas da cultura europeia. Aqui no Brasil elas não são tão adequadas, porém tirá-las do cardápio iria descaracterizar a celebração. Apesar disso, alguns alimentos tipicamente brasileiros foram incorporados a ceia de Natal, como a farofa de miúdos e a rabanada, este último devendo ser usado com moderação por ser uma fritura.

“Tendo a consciência de que, além dos alimentos serem calóricos há um aumento no consumo, o que provoca um aumento da ingestão energética, é recomendado que as atividades físicas nessa época sejam intensificadas a fim de evitar o ganho de peso. Para os hipertensos, diabéticos e pacientes com dislipidemia, os cuidados devem ser redobrados”, conclui Caroline.

A receita mais importante para o fim de ano é uma porção de planejamento nutricional adequado unido à dose certa de exercício. Só assim todos poderão desfrutar os saberes e guloseimas típicas da época, sem comprometer a saúde e o peso.

Fonte: SOBACC

Valora esta noticia